Skip to content

A BASE VEM AÍ

Molecada chega buscando espaço no time principal rubro-negro

05/02/2021 | 11h56

O Vitória encerrou a temporada de 2020 apostando nos garotos e a resposta foi positiva.

Para a temporada que vai se iniciar, o clube intensificará mais ainda a política de aproveitamento das joias reluzentes da divisão de base. A ordem é a resgatar de vez o DNA rubro-negro.

No último jogo de 2020, realizado em Pelotas (RS) contra o Brasil, pelo Brasileiro da Série B, o técnico Rodrigo Chagas abriu mão dos mais experientes, promoveu a molecada e o resultado foi positivo.

Rodrigo já convocou outro garoto para compor o grupo. No recomeço das atividades, segunda-feira (8), o volante Figueiredo, eleito o craque do Campeonato Baiano Juvenil em 2019, e um dos artilheiros da competição, estará incorporado ao profissional.

“Uma base forte e sólida como nós temos, geração muito boa, tenho certeza que eles vão colaborar muito para que o Vitória tenha uma crescente. A gente quer resgatar o DNA que todos conhecem. Sabemos do potencial de todos”, afirma o comandante.

Voltando ao jogo na região sul do Rio Grande do Sul, os “veteranos” Yuri, Mateus Moraes, Eduardo e Ruan Nascimento mostraram que estão pedindo passagem. Quem não lembra da arrojada defesa do gigante (1m90) Yuri logo no começo, cara a cara, evitando o gol do Brasil?

Apoiado pelo experiente Maurício Ramos, o zagueiro Mateus Moraes tomou conta da área. Firme por baixo e pelo alto, mostrou frieza nos momentos decisivos, e categoria para sair jogando.

Com mais minutagem que os demais na equipe, Eduardo regeu o meio-campo. Desarmou, marcou, chutou em gol, e tomou as iniciativas para construir as jogadas de ataque. Ruan Nascimento ousou, no 1 x 1 foi para cima do marcador, com velocidade e buscando sempre o drible, coisa rara hoje em dia no futebol brasileiro.

A grata surpresa, no entanto, foi Pedrinho. O “caçula” da constelação, com 18 anos de idade, entrou no intervalo e, além de cumprir à risca a recomendação tática – ajudou anular os avanços do lateral adversário -, atuando como falso ponta, se movimentou com desembaraço, chegando à linha de fundo diversas vezes para cruzar. Quando passou a atuar como lateral após a saída de Leocovick, foi combativo na marcação. Merecia o gol na bomba que disparou em cobrança ensaiada de falta. Méritos para o goleiro com uma defesaça.

Pedrinho ficou no quase, mas Samuel balançou as redes. Foi dele o único gol do jogo, e seu primeiro como profissional. Canhoto, atacante de área, forte, apresenta como características diferentes: boa capacidade de pivô e arremates fortes de fora da área.

Gabriel Santiago “sentiu o peso” da estreia. Porém, teve lampejos inteligentes. Pena que o cartão amarelo de advertência logo nos minutos iniciais do jogo tivesse deixado o garoto cauteloso.

Eles pedem passagem, enquanto Caíque Souza, Matheus Tenório, Maykon Douglas e Lucas Arcanjo, também criados na base e que estão mais amadurecidos, esperam conquistar seus espaços.